Destinos, Viagem

DOIS DIAS EM LONDRES – DIA 01

06/11/2017

Londres é a capital da Inglaterra e do Reino Unido. É um dos maiores e mais importantes centros financeiros do mundo e é um destino turístico super popular entre britânicos e estrangeiros. A cidade tem gente (moradores e turistas) de diferentes povos, religiões, culturas… Mais de 300 idiomas são falados em Londres!

A cidade é uma “loucura” e talvez tenha sido essa loucura toda que fez eu me apaixonar por ela em 2011, quando fui pra lá passar uma temporada. Com tanta gente, de tantos lugares diferentes, Londres é a própria “Torre de Babel”, mas de alguma forma, todo mundo se entende e as coisas funcionam.

Esse post, assim como o vídeo do nosso primeiro dia de passeio por Londres, ficou bem extenso. Mas Londres é assim mesmo, em cada esquina uma história e um ponto turístico… Fiz tudo “correndo” e mesmo assim faltaram alguns lugares que eu tinha programado para visitar. E para completar a bagunça, estava acontecendo um protesto gigantesco e a cidade estava em polvorosa (muito mais do que o normal!).

Enfim, acredito que mesmo com uma Londres atípica e com post e vídeo bem longos, essas informações que vou dar são super válidas se você está pensando em visitar a capital inglesa ou quer muito conhecer a cidade mesmo que seja através dos meus olhos e palavras. 😉

Faça um chá ou café, separe um lanchinho e vem comigo dar um passeio pela minha cidade preferida desse mundão!

A população de Londres é de aproximadamente 9 milhões de pessoas, sem contar a região metropolitana. Ela foi fundada pelos romanos e tem quase 2000 anos de idade. É uma das cidades mais visitadas do mundo, portanto, muitos turistas = muitos museus, atrações para todos os gostos, restaurantes e bares.

Começamos o dia na London Eye que é uma roda-gigante e foi inaugurada no ano 2000. Até 2006 era a maior roda-gigante do mundo, mas construíram outras por aí e a bonitinha acabou perdendo o posto (no momento, a mais alta fica em Dubai, com 250 metros de altura). Mas tudo certo, pelo menos ela continua sendo a mais alta da Europa com 135 metros de altura e 120 de diâmetro. É uma atração turística muito popular na cidade e o lugar perfeito para ver Londres do alto, de cima dela você tem uma vista 360 graus da incrível capital da Inglaterra. Uma volta completa demora 30 minutos. O horário de funcionamento depende da época do ano, para mais informações, é só acessar o site oficial.

Dica 1: compre seu ticket online (no próprio site da London Eye ou pelo GetYourGuide) para economizar umas libras e principalmente tempo. A entrada comprada pela internet custa a partir de £38,00.

Dica 2: para ver Londres do alto sobre outra perspectiva (e ainda mais alto do que a famosa roda-gigante), você também pode subir no edifício The Shard. A entrada custa a partir de £28,00.

Clique aqui para comprar sua entrada para o mirante do The Shard.

Dica 3: se você quiser visitar outras atrações como o Sea Life (aquário), The London Dungeon ou o museu de cera Madame Tussauds, vale a pena fazer as contas e ver se não compensa comprar alguns pacotes que essas atrações oferecem, como por exemplo London Eye + Sea Life + Madame Tussauds por £60,00.

Clique aqui para comprar sua entrada para a London Eye

No topo da London Eye.

Saímos da London Eye e fomos caminhando pela beira do rio Tâmisa em direção à Ponte Westminster e estava cheio de gente (como sempre!). Passamos em frente a London Dungeon (uma masmorra onde atores contam histórias trágicas de Londres de forma assustadora… É para quem gosta de fantasmas e sustos!), Shrek’s Adventure (atração voltada para as crianças) e o Sea Life London Aquarium. Dessas atrações, a única que conheço é aquário, que foi aberto em 1997 e tem umas 400 espécies de peixes. Aconselho a visita se você tiver muita vontade de conhecer um local assim, mas quando visitei em 2011, esperava muito mais, achei “fraco”.

Enfim, conseguimos sair do meio do “fervo” e atravessamos a Ponte Westminster que passa sobre o rio Tâmisa (River Thames).

O Tâmisa banha a cidade de Londres e desagua no mar do Norte. É o maior rio da Inglaterra e segundo maior do Reino Unido. No século XVII a água do Tâmisa deixou de ser considerada potável e só no séc. XIX que começaram um processo de despoluição.

No verão do ano de 1858, o rio começou liberar um cheiro insuportável, o episódio ficou conhecido como o Grande Fedor (Great Stink) e foi a partir daí que os políticos resolveram que estava na hora de dar um jeito nele. O processo durou anos e custou caro, mas hoje em dia o Tâmisa está limpo.

Rio Tâmisa visto da Ponte Westminster.

Atravessamos a ponte e dela mesmo já se avista a Elizabeth Tower e o Palácio de Westminster (ou as Casas do Parlamento).

Agora você vai me perguntar: Elizabeth Tower?! Mas não é o Big Ben?!

Então… Big Ben é o nome do sino que foi instalado na torre em 1859. No geral, as pessoas se referem a torre e ao relógio como Big Ben, mas o nome da torre é Elizabeth Tower e antes de ter esse nome era chamada apenas de Clock Tower (Torre do Relógio). Eles a rebatizaram em 2012, em homenagem aos 60 anos de reinado da Rainha Elizabeth II.

Explicado isso, vamos para mais dados do famoso ponto turístico:

A torre tem 96 metros de altura, foi concluída em 1858 e é um dos símbolos mais importantes do Reino Unido. O sino (Big Ben) pesa mais de 13 toneladas e o relógio tem quatro faces, uma para cada lado da torre.

O Palácio de Wesminter (Palace of Westminster) ou as Casas do Parlamento (Houses of Parliament) abriga o Parlamento do Reino Unido, que é um dos maiores parlamentos do mundo, com mais de 1000 salas, 100 escadarias e 5 km de corredores.

No Palácio de Westminster se encontram as duas câmaras do Parlamento do Reino Unido, a House of Commons e a House of Lords. Construído como um palácio real no séc. XI, foi moradia de vários monarcas até o séc. XVI, passando depois disso a ser lugar de encontro do parlamento. O palácio original pegou fogo duas vezes, uma no séc. XVI e outra em 1834, depois disso, foi erguida a construção que vemos hoje em dia.

São oferecidas dois tipos de visitas guiadas, com guia ou audioguia. A visita “por conta”, com audioguia, custa £25,00 e com um guia £32,00. Também é possível assistir uma das sessões do parlamento de forma gratuita. Clique aqui para saber mais informações (em inglês).

As Casas do Parlamento e a Elizabeth Tower.

Do ladinho do Palácio de Westminster, fica a Abadia de Westminster (Westminster Abbey), em estilo gótico, é a igreja mais importante de Londres e é famosa no mundo todo porque é lá que são feitas as coroações dos reis e rainhas desde o séc. XI. Casamentos reais também são realizados na abadia, foi nela que o príncipe William e Kate Middleton oficializaram os laços.

Um pouquinho da história: monges beneditinos chegaram na região na metade do séc. X e ali se instalaram, no século XI a abadia foi fundada pelo Rei Edward the Confessor, mas a igreja como vemos hoje começou ser construída no séc. XIII a mando do Rei Henry III. Até o século XVI era uma igreja católica, mas então foi convertida em igreja anglicana.

É possível visitá-la por dentro, a entrada custa £27,00 e inclui o audioguia.

Clique aqui para comprar seu ticket para visitar a Abadia de Westminster

Abadia de Westminster

Nesse ponto do passeio já estávamos com bastante forme e fomos “caçar” o que comer.

Normalmente, antes de visitar uma cidade, pesquiso onde é legal para comer, mas, quando visitamos cidades que são conhecidas por serem caras (Londres é uma delas!), pesquiso ainda mais! Porque gostamos de comer bem e por um preço camarada. Ah, e também não somos “frescurentos”, qualquer comidinha saborosa e bem feita nos agrada! E adoramos descobrir lugarzinhos que ainda não estão sendo explorados pelo turismo em massa .

E foi assim que encontrei o Koshari Street, que nem pode ser categorizado como restaurante, é mais um lugar de street food mesmo! As grandes cidades européias contam com vários lugares desse tipo, o que eles chamam de takeaway… Você vai lá, pede sua comidinha pra levar e vai comer em uma praça, parque ou em casa (hotel!) mesmo. Alguns têm uns banquinhos, e esse era o caso do Koshari Street. Pedimos nosso koshari, que é um prato com arroz, lentilha, uma espécie de macarrãozinho bem fininho e pequeno (não sei o nome!), coberto com grão de bico, molho de tomate, cebola frita caramelizada e mais uns segredinhos! Gente… Sério, é uma explosão de sabores. Nós amamos!!

Eles também servem saladas, sanduíches, café e suco. E se você for tipo nós (Marc e eu!), sem muita frescura para comida e lugares que servem comida, recomendo!! O lugar é limpo, a comida é boa e barata e o atendimento é ok… Dois kosharis e um refrigerante de 500ml saiu por umas 12 libras (preço de quando visitamos em 2017).

Koshari do Koshari Street… Delícia!

Saímos do Koshari Street e “corremos” para o St. James’s Park, o meu parque favorito de Londres!!

O St. James é um Parque Real, ou seja, as terras originalmente eram usadas pelos monarcas para recreação, principalmente caça. Existem oito Parque Reais dentro da cidade e eles passaram a ser públicos a partir de 1851, quando Londres começou crescer muito.

St. Jame’s Park

Fomos caminhando por dentro do St Jame’s Park até o Palácio de Buckingham, que é a residência oficial e principal local de trabalho do monarca.

O palácio foi construído em 1703 como uma grande casa para o Duque de Buckingham e Normamby e no ano de 1761 foi comprado pelo Rei George III para ser residência particular da Rainha Charlotte of Mecklenburg-Strelitz, ficando conhecido como a “casa da rainha”. Foi ampliado no séc. XIX e foi quando se tornou residência oficial dos monarcas britânicos.

A visita ao palácio custa £30,00 e ele apenas abre por 6 semanas ao ano, entre julho e setembro.

Se você quiser dicas mais completas do que vestir em Londres em cada época do ano, tem uma playlist no meu canal explicando com mais detalhes.

Clique aqui para ir para a playlist com os vídeos falando sobre o que vestir em Londres.

E se você vai viajar para a Europa, o post abaixo será útil:

10 DICAS DE COMO ECONOMIZAR NA EUROPA

Opções de passeios para fazer em Londres:

Palácio de Buckingham

Tínhamos que continuar o passeio porque o sol já estava indo embora, mas dei um pulinho na The Mall só para filmar pra vocês e tirar uma foto. Essa é a avenida onde aconteceram (e acontecem!) vários cortejos históricos, como coroações, casamentos, visitas de estado, funerais… Ela se estende do Palácio de Buckingham até o Admiralty Arch.

Atravessamos o Green Park para chegar na Piccadilly Street.

O Green Park também é um Parque Real de Londres e é o menor deles. Ele fica do ladinho do St James’s Park e do Hyde Park. É um parque muito bom para se fazer um piquenique em um dia de tempo bom. Pelo parque tem alguns quiosques para comprar uma bebida ou um cachorro quente se der aquela fominha.

Também tem cadeiras para alugar, não custa caro, mas se você sair de casa/hotel com a intenção de sentar em algum parque, aconselho levar um pano ou algo do gênero. 😉

Fomos caminhando pela Piccadilly Street até a Piccadilly Circus, que é uma praça muito famosa de Londres.

É uma das zonas mais movimentadas da cidade e rodeada por várias atrações turísticas. Tem a estátua de Antheros (que a galera chama de “estátua de Eros”), lojas, bares, teatros e claro, os famosos luminosos. Na região também tem restaurantes e locais para comprar entradas para peças de teatro e musicais.

Piccadilly Circus

Pertinho da Piccadilly Circus fica a Leicester Square, que é uma praça situada na região de West End.

É uma área cheia de opções de entretenimento. Na Leicester Square tem cinemas, restaurantes, casinos, teatros, bares, loja da M&M’s (não resistimos e entramos pra dar uma olhadinha!) e uma Lego Store.

Não conseguimos “entrar” na praça porque estavam montando alguma coisa, apenas caminhamos em volta, mas no meio tem um jardim e várias estátuas. Por ali também tem um quiosque da TKTS que vende ingressos de última hora e com descontos para peças e musicais.

Como já estava bem escuro, resolvemos terminar nosso passeio por Londres, então caminhamos até a Trafalgar Square.

A Trafalgar Square é uma praça que fica no centro de Londres e que comemora a Batalha de Trafalgar que aconteceu em 1805.

Entre os séc. XIV e XVII, o local onde hoje em dia está a praça era um estábulo onde ficavam os cavalos do rei e sua corte. No começo do séc. XIX iniciaram as construções e já começaram chamar de Trafalgar Square. Em 1843 a Coluna de Nelson foi levantada e em 1867 as esculturas de quatro leões foram colocadas na base da coluna. O monumento é em homenagem ao Almirante Nelson, que comandou a batalha de Trafalgar e apesar da Marinha Britânica ter vencido, o almirante acabou morrendo devido aos ferimentos.

A praça é conhecida por ser um local de celebrações, eventos e protestos. E, bem no dia da nossa visita estava um clima estranhíssimo por causa de um protesto que estava acontecendo. Vários helicópteros, policiais pelas ruas e manifestantes também.

Trafalgar Square

Mas vale muito a pena visitar, viu?! Não fique preocupado e nem com medo, nas imagens do vídeo dá pra ver que o local estava barulhento e com bastante gente, mas pelo menos no tempo que ficamos por ali, nada de muito sério aconteceu. Só que algo inteligente a se fazer quando tem esse tipo de movimento estranho nas grandes cidades, é pegar o seu caminho em direção contrária à manifestação (ou qualquer outra coisa parecida), e se já for meio tarde, volte para o local onde está hospedado. É só uma dica da “Tia Maureen” para quem quer tranquilidade e não quer correr o risco de passar perrengue.

Ah, e já ia até esquecendo de falar, na Trafalgar Square também fica a The National Gallery que é um dos museus de arte mais visitados do mundo, fundado em 1824 e que abriga mais de 2300 pinturas da metade do séc. XII até 1900. A entrada para a coleção permanente é gratuita e antes era possível apenas chegar e entrar, mas hoje em dia eles pedem para se possível reservar no site com antecedência. Na coleção permanente tem quadros de Botticelli, Leonardo da Vinci, Rembrandt, Renoir, Van Gogh e vários outros artistas. Já estava fechada quando chegamos, mas visitei outras vezes e para quem gosta pelo menos um pouquinho de arte, vale muito a pena!

Depois da Trafalgar Square, pegamos o transporte público de volta para o camping onde deixamos nossa “casa sobre rodas”. Durante a passagem por Londres, estávamos de motorhome e ficamos no Lee Valley Camping and Caravan Park Edmonton que fica ao norte da cidade. Londres tem algumas opções de campings, mas todos ficam afastados do centro. Do Lee Valley Camping até a região central leva em torno de uma hora (ônibus + metrô de superfície).

Se você pretende ficar em hotéis quando visitar a cidade, use a caixa de pesquisa abaixo para ver disponibilidade, valores e reservar.



Booking.com

Abaixo deixo o mapa do roteiro que fizemos no nosso primeiro dia de passeio pela cidade. Vocês verão que nem sempre seguimos a “lógica” da coisa… Dessa vez, por exemplo, saímos do caminho para comer a comidinha gostosa do Koshari Street! 😀

Viajar preparado é muito melhor!

 

Vídeo do nosso primeiro dia em Londres:

Para ir para o post do nosso segundo dia na cidade, clique aqui.

(Algumas informações e os preços que estão nesse post foram atualizados em maio/2023.)

Posts relacionados

4 Comentários

  • Resposta Morgana 07/06/2019 at 2:21 am

    Amo seu blog e seus vídeos! Muito sucesso! Que época do ano você foi?

    • Resposta Maureen Garcia 12/06/2019 at 1:11 pm

      Obrigada Morgana! 🙂 Fomos em novembro… 😉

  • Resposta eduardo 26/12/2020 at 10:26 pm

    Adorei seus vídeos, estive em Londre em 1996, agora após ver seus vídeos, bateu uma saudade, após essa pandemia vou iniciar um planejamento para visitar essa cidade maravilhosa. Você é top

    • Resposta Maureen Garcia 05/02/2021 at 4:46 pm

      Obrigada Eduardo!! Fico feliz de saber que gostou dos vídeos… Boa sorte com os seus planos de viagem para Londres!!

    Deixe um comentário


    Este site usa Akismet para reduzir spam. Mais informações.