Destinos, Viagem

O QUE FAZER EM LONDRES EM 1 DIA

20/10/2022

Olá!

Imagino que se você chegou até esse post é porque está planejando o roteiro para fazer em Londres em 1 dia. E acredito que também já deve ter percebido que há muito o que fazer nessa cidade maravilhosa e pode ser um pouco difícil planejar um dia perfeito na capital da Inglaterra quando se tem pouco tempo.

Então estou aqui para lhe ajudar com a minha experiência. Já morei em Londres, hoje em dia moro em uma cidade próxima e sempre que possível estou na cidade a trabalho ou passeio.

Aliás, se você precisar de acompanhamento enquanto estiver em Londres, eu presto esse serviço! Envie um e-mail para londres@eusoquerotudo.com e vamos conversar!!

Nesse post vou apresentar um passeio para fazer durante um dia, passando pelas principais atrações turísticas. Vou ter que ser muito honesta e dizer que esse será apenas um “tira-gosto” de Londres, e se você realmente apenas tiver um dia para conhecê-la, espero que planeje voltar para passar mais tempo. Porque, como disse o escritor inglês Samuel Johnson: “Senhor, quando um homem está cansado de Londres, está cansado da vida; pois há em Londres tudo o que a vida pode oferecer.”

Londres tem inúmeras atrações, para todos os gostos e interesses, é uma das melhores cidades do mundo para fazer turismo, não tem como ficar entediado, é um lugar incrível e merece mais do que um diazinho. 

Com as dicas desse post você vai conseguir aproveitar ao máximo cada momento na cidade e esse é um roteiro “geralzão”, para quem nunca esteve em Londres e quer fazer um passeio o mais completo possível em um tempo curto. O roteiro está dividido em duas áreas com concentração de pontos turísticos, todos a uma distância curta um do outro, assim vamos conseguir ver o máximo de atrações sem muita correria e loucura.

Aconselho ler com calma e assistir o vídeo que está no final dessa página para escolher quais atrações são realmente de seu interesse. Se achar que é muito pra você, apenas corte uma ou duas coisas, faça no seu ritmo.

Não entrei em nenhuma atração para otimizar o tempo (e também porque já visitei algumas delas mais de uma vez), mas fique a vontade para fazer diferente, afinal esse post é um guia, e não um conjunto de regras!

Algo a ser levado em consideração: se for entrar em alguma atração, compre as entradas online antecipadamente e isso vai fazer você economizar um tempo precioso (e algumas libras!) durante o seu dia em Londres.

Toda a rota que fiz para esse post e o vídeo lá no Youtube é possível fazer a pé. Fizemos apenas um deslocamento de ônibus (da St. Paul’s Cathedral até a London Eye), mas é um caminho bem tranquilo para ir andando e leva uns 30 minutos.

Vamos passar pela Torre de Londres, o teatro Shakespeare’s Globe, a St Paul’s Cathedral, a London Eye, o Big Ben e mais alguns outros pontos importantes, portanto, você caminhará entre 10 e 15 quilômetros. Aconselho usar sapatos confortáveis e se alimentar bem no café da manhã para ter energia para fazer o roteiro. 

Alguns pessoas pensam que Londres é pequena, mas não é! É uma metrópole com quase 9 milhões de habitantes, mas não se preocupe porque o itinerário que criei é fácil de seguir e acrescentei algumas dicas e conselhos para a sua estadia na cidade e no final tem um mapa com todos os pontos marcados.

Um resumo do roteiro de 1 dia em Londres:

– Torre de Londres e Tower Bridge

– HMS Belfast

– Teatro Shakespeare’s Globe

– Millennium Bridge e St. Paul’s Cathedral

– London Eye

– Casas do Parlamento, Big Ben e Abadia de Westminter

– Whitehall

– St. James’s Park

– Palácio de Buckingham e The Mall

– Trafalgar Square

Como se locomover em Londres de transporte público

O transporte público funciona muito bem em Londres e o metrô é a melhor forma de se locomover. As zonas 1 e 2 são as mais centrais e a maioria das principais atrações turísticas estão nelas. Existe um limite diário que você gasta viajando entre essas duas zonas (£7,70) e a melhor forma de pagar é usando um cartão por aproximação.

Existem outras duas opções caso você não tenha um cartão por aproximação, uma é comprar um Oyster Card, que é o cartão do TfL (Transport for London). Ele custa £5,00 e você precisa carregá-lo (para comprar e carregar o cartão, use as máquinas nas estações de metrô). A outra opção é um “travel card“, que custa £14,40 para um dia na zona 1-2, ele pode ser utilizado nos ônibus, metrôs, overground (metrô de superfície), DLR (Docklands Light Railway) e trens.

Uma opção para quem tem apenas um dia na cidade é optar pelo ônibus de turismo hop-on hop-off. Esse é um passeio muito popular entre os turistas e é uma ótima maneira de ver muitos pontos turísticos famosos sem ter que caminhar. Se você tem dificuldade para andar longas distâncias, considere o tour de ônibus.

Clique aqui para comprar seu ticket para o ônibus de turismo em Londres!

E agora, depois dessa “pequena” introdução, vamos lá! A melhor forma de ver Londres em um dia!

Depois de tomar um café da manhã reforçado no seu hotel ou acomodação, dirija-se à estação de metrô e vá até a Tower of London (Torre de Londres). A estação de metrô mais próxima a essa atração é a Tower Hill. 

Torre de Londres

A Tower of London é um dos destinos turísticos mais populares da cidade e está sempre cheia de turistas. Fica na margem norte do rio Tâmisa e caso você entenda inglês, comprando o ingresso é possível fazer um tour guiado liderado por um Yeoman Warder (Guarda Real conhecido também como Beefeater). 

Tower of London vista do outro lado do rio.

A história da Torre de Londres começa com William the Conqueror (Guilherme, o Conquistador) e a conquista normanda da Inglaterra em 1066. A conquista normanda foi a invasão e ocupação da Inglaterra no século XI, por um exército liderado por William que acredita que tinha direito ao trono inglês por ser primo do rei anglo-saxão Edward, The Confessor.

Edward morreu e não deixou herdeiros, quem assumiu o trono na época foi seu cunhado, Harold. Mas William disse que Edward tinha lhe prometido o trono e invadiu a Inglaterra para conseguir o que ele acreditava que era seu.

Ele invadiu, ganhou a batalha, se tornou rei da Inglaterra e ao redor do ano 1070 mandou construir a Tower of London. Foi construída para ser uma fortaleza, onde William poderia se abrigar caso fosse necessário e nos séculos posteriores outros reis e rainhas também utilizaram o local. Além de fortaleza, a Torre foi prisão, Casa da Moeda, palácio e zoológico.

A Torre de Londres nunca foi a residência real principal porque os monarcas preferiam palácios mais suntuosos, ela era uma base nos momentos mais tranquilos e um refúgio nos momentos de crise.

No século XVI deixou de ser residência real e passou a ser usada mais como prisão. O Rei Henry VIII (Henrique VIII) cortou relações com Roma, e com isso muitos religiosos e políticos tidos como “traidores” por não terem as mesmas ideias que o rei, acabaram presos e executados. Duas de suas esposas também ficaram presas e foram executadas na torre.

No século XVI foi aberta para os primeiros visitantes, mas foi no século XIX que o número de pessoas visitando o local realmente cresceu e a Torre sofreu uma grande restauração. Hoje em dia é uma das maiores atrações turísticas do mundo e Patrimônio Mundial pela Unesco.

O local é grande e tem vários lugares para explorar, inclusive você poderá ver as Jóias da Coroa, que ficam em exposição na Torre de Londres. Minha sugestão caso você tenha interesse em entrar, é reservar 3 horas para dar um bom passeio pelo local. A entrada comprada antecipadamente online custa £29,90.

Clique aqui para comprar sua entrada para a Tower of London.

The Shard e outros edifícios visto da Tower of London.

Da frente da Tower of London, olhando para o outro lado do rio, você verá um arranha-céu em forma de pirâmide se destacando no meio de outros edifícios mais baixos. Esse edifício é o The Shard, construído entre 2009 e 2012, tem 72 andares e 310 metros de altura. É o edifício mais alto do Reino Unido e nele estão instalados escritórios, apartamentos, um hotel, restaurantes e bares. É possível visitar um mirante que fica no prédio, chamado The View of Shard. Custa £28,00 por pessoa.

Clique aqui para comprar sua entrada para o mirante do The Shard.

Algo que não comentei na introdução desse post foi sobre o clima em Londres. Visitamos a cidade para produzir o vídeo na primeira quinzena de outubro, ou seja, outono por aqui. Fez um dia ensolarado com máxima de 18 graus. Usei calça jeans e tênis mais uma blusa fina de gola alta e uma jaqueta jeans e foi o suficiente (lembre-se que frio e calor é alto muito relativo e pessoal).

Se você quiser dicas mais completas do que vestir em Londres em cada época do ano, tem uma playlist no meu canal explicando com mais detalhes.

Clique aqui para ir para a playlist com os vídeos falando sobre o que vestir em Londres.

Tower Bridge

E pertinho da Tower of London está a Tower Bridge, um símbolo da cidade e uma das pontes mais famosas do mundo. Ela é uma  ponte basculante sobre o rio Tâmisa que começou ser construída em 1886 e foi inaugurada em 1894.

Tower Bridge.

Para quem tem interesse em saber mais sobre esse ponto icônico de Londres, é possível visitar a Tower Bridge Exhibition, que fica dentro da ponte e como o próprio nome diz é uma exibição sobre como a ponte funciona e toda a história desde a construção. A entrada custa £11,40.

Após atravessar a Tower Bridge, você estará em South Bank, região que tem esse nome porque fica na margem sul do rio. Continuaremos o passeio caminhando para o lado oeste, sempre próximo ao rio e passando por alguns pontos turísticos até chegar na Millenium Bridge.

HMS Belfast

O HMS Belfast é um navio de guerra da Marinha Real que foi utilizado na Segunda Guerra Mundial e na Guerra da Coréia e hoje em dia é um museu. A entrada custa £23,60.

HMS Belfast com a Tower Bridge de fundo.

Caso você vá passar 2 dias em Londres, indico esses dois posts:

London Bridge

A London Bridge não é bonita e nem um ponto turístico, mas ela tem importância histórica para Londres.

A ponte atual foi construída entre 1968 e 1971, mas por séculos existiu uma ponte de pedra no mesmo local, a Old London Bridge, que foi construída entre os séculos XII e XIII para substituir uma antiga ponte de madeira. Ela foi a única travessia no rio Tâmisa dentro de Londres até o ano de 1750, quando a Ponte de Westminster foi inaugurada.

London Bridge (by Philip Halling, CC BY-SA 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0>, via Wikimedia Commons)

The Golden Hinde

Esse não é exatamente um ponto que tem que ser visto em um dia em Londres, mas se você estiver fazendo o roteiro caminhando, provavelmente passará por ele. O The Golden Hinde é uma réplica do primeiro navio inglês a circum-navegar o globo.

É possível visitá-lo por dentro, a entrada custa £6,00 e apenas é vendida no local.

The Golden Hinde (by Stephen Armstrong, CC BY-SA 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0>, via Wikimedia Commons)

Winchester Palace

Assim como o The Golden Hinde, o Winchester Palace não é um ponto que tem que ser visto se você tiver apenas um dia na cidade, mas, ele estará no seu caminho.

Construído no início do século XIII para ser a casa londrina dos poderosos bispos de Winchester esse palácio já foi um dos maiores e mais importantes edifícios de toda a Londres medieval. As ruínas que vemos hoje são partes das paredes do Great Hall. O palácio era grandioso, tinha prisão, cervejaria, açougue, quadra de tênis, pista de boliche, jardins e pátios.

Winchester Palace (Simon Burchell, CC BY-SA 4.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0>, via Wikimedia Commons)

Nesse ponto do passeio já era quase meio-dia e estávamos com fome, então resolvemos comer alguma coisa e escolhemos o restaurante The Real Greek. Não conhecíamos o local que faz parte de uma rede e serve comida no estilo grego e mediterrâneo.

O cardápio é extenso, mas optamos por um wrap porque queríamos comer algo rápido para continuarmos com o passeio. Escolhi o de falafel e o Marc pegou o de lula frita. De segunda a sexta-feira o restaurante têm uma opção de menu com um prato que custa £8,95, o que é um preço muito bom se tratando de Londres.

Um outro lugar que poderíamos ter escolhido para comer é o Borough Market, que fica próximo ao Winchester Palace, mas resolvi deixá-lo de fora do roteiro dessa vez. Nada impede que você dê uma espiada e coma alguma coisinha por lá, particularmente gosto do grilled cheese da Kappacasein e do donut da Bread Ahead.

Wraps do restaurante The Real Greek.

Shakespeare’s Globe

Shakespeare’s Globe, a réplica do teatro onde William Shakespeare se apresentava.

Sinto informar e sempre acabo frustando uma ou outra pessoa quando dou essa informação, mas esse não é o teatro original onde Shakespeare’s se apresentava e sim uma recriação que foi construída próximo de onde ficava o Globe Theatre.

Falando mais sobre o original, o Globe Theatre, que William Shakespeare’s era um dos sócios, ele foi construído em 1599, destruído por um incêndio em 1613 e reconstruído logo em seguida. Mas em 1642 aconteceu uma Guerra Civil e o teatro acabou fechando. Foi demolido em 1644.

O edifício que vemos hoje em dia também é um teatro em funcionamento e foi mandado construir por Samuel Wanamaker, ator e diretor americano. Infelizmente Samuel faleceu alguns anos antes da inauguração que foi em 1997. O teatro atual é muito parecido com o original e foi construído baseado em muitos estudos feitos por profissionais especialistas, como historiadores e arquitetos.

É possível ver por dentro em uma visita guiada em inglês feita em grupos que custa £17,00, ou você pode comprar a entrada para assistir uma peça que pode custar entre 5 e 60 libras. Observação: normalmente os tickets mais baratos indicam que você assistirá a peça em pé no meio do teatro em uma área descoberta. Se optar por esse ingresso, esteja atento a duração da peça e a previsão do tempo.

Tate Modern

Museu Tate Modern visto do rio Tâmisa (by Graham Robson, CC BY-SA 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0>, via Wikimedia Commons)

Bem pertinho do teatro, fica o Tate Modern, museu de arte contemporânea instalado dentro de um usina de energia elétrica desativada.

Junto com o Tate Britain, Tate Liverpool, Tate St. Ives e Tate Online, ele faz parte de um grupo chamado Tate. Foi inaugurado no ano 2000 e em sua coleção tem obras de Picasso, Matisse, Andy Warhol e vários outros artistas famosos.

A entrada é gratuita e normalmente as exposições temporárias são cobradas. Se resolver entrar, reserve pelo menos 2 horas para essa visita.

Opções de passeios para fazer em Londres:

Millennium Bridge

Millennium Bridge com a St. Paul’s Cathedral ao fundo.

Ligando o Tate Modern a St. Paul’s Cathedral, está a Millennium Bridge, uma ponte suspensa para pedestres, feita de aço, que atravessa o rio Tâmisa ligando a região e Bankside com a City of London.

Começou ser construída em 1998 a partir de um projeto de Norman Foster. Quando foi inaugurada descobriram que a ponte balançava muito, então a interditaram apenas dois dias após a inauguração, fizeram vários ajustes e foi reaberta somente em 2002.

Para os fãs de Harry Potter: a Millenium Bridge aparece no início do filme Harry Potter e o Enigma do Príncipe.

St. Paul’s Cathedral

St. Paul’s Cathedral vista de diferentes ângulos.

E atravessamos a ponte para chegar na St. Paul’s Cathedral, um dos pontos turísticos mais famosos e reconhecíveis de Londres.

A St. Paul’s é uma catedral anglicana e antes do edifício atual que é do século XVII, existiram outras igrejas no local. O arquiteto responsável pela obra foi Christopher Wren. Ela tem 111 metros de altura e já foi o edifício mais alto de Londres, aliás, a cúpula ainda está entre as maiores e mais altas do mundo.

Foi nessa catedral que o príncipe Charles e a Lady Di se casaram em 1981 e nela aconteceram funerais importantes como o de Winston Churchill e Margaret Tatcher e outras celebrações como a do Jubileu de Platina da Rainha Elizabeth II.

Você pode conhecer o interior da catedral fazendo uma visita turística que custa £18,00 ou frequentando um dos serviços. Clique aqui para saber os horários dos serviços (site em inglês).

Clique aqui para comprar a entrada para a visita turística a St. Paul’s Cathedral.

Da catedral fomos para a London Eye. Se fôssemos caminhando, levaríamos uns 30 minutos. Resolvemos ir de ônibus, mas também poderíamos ter ido de metrô. Pegamos o ônibus número 26 (o 76 também serve) na parada St. Paul’s Cathedral e descemos na Waterloo Bridge/South Bank.

London Eye

London Eye.

A London Eye é a roda gigante mais alta da Europa com 135 metros de altura e foi inaugurada no ano 2000. Atração turística muito popular na cidade é um lugar ótimo para ver Londres do alto. Uma volta dura 30 minutos.

Minha sugestão é comprar o ticket online para economizar tempo e algumas libras. Comprando antecipadamente, o preço é de £32,50 e se comprar na hora £36,00.

Clique aqui para comprar seu ingresso para a London Eye. 

Vista do alto da London Eye em um dia nublado de outono.

Da London Eye até o Big Ben e as Casas do Parlamento são apenas alguns passos.

Caminhando pela beira do rio em direção a Ponte Westminster passamos em frente a London Dungeon (masmorra onde atores contam histórias trágicas de Londres de forma assustadora), Shrek’s Adventure (atração voltada para as crianças) e o Sea Life London Aquarium.

Casas do Parlamento e Big Ben

Westminster Bridge, o Big Ben e as Casas do Parlamento.

Depois de uma restauração que levou cinco anos e deixou muitos turistas tristes ao chegarem na cidade e perceberem que o Big Ben (ou, se você preferir chamar pelo nome oficial, a Elizabeth Tower) estava envolto em andaimes, finalmente ele está todo lindo, limpinho e brilhando.

A Elizabeth Tower tem 96 metros de altura, foi concluída em 1858 e é um dos símbolos mais importantes do Reino Unido. O sino  (esse sim chama Big Ben!) que fica dentro dela pesa mais de 13 toneladas e o relógio tem quatro faces, uma para cada lado da torre.

O Palácio de Westminter ou as Casas do Parlamento abriga o Parlamento do Reino Unido, que é um dos maiores parlamentos do mundo, com mais de 1000 salas, 100 escadarias e 5 km de corredores. Dentro dele se encontram as duas câmaras do parlamento, a House of Commons e a House of Lords.

Foi construído para ser um palácio real no séc. XI e foi moradia de vários monarcas até o séc. XVI, passando depois disso a ser lugar de encontro do parlamento. A construção atual é do século XIX.

São oferecidas visitas guiadas em inglês e custa £29,00 por pessoa. E a visita “por conta”, com audioguia, custa £22,50. Também é possível assistir uma das sessões do parlamento sem pagar nada. Clique aqui para saber mais informações sobre todos os tipos de visitas (site em inglês).

Casas do Parlamento e o Big Ben (Elizabeth Tower).

Parliament Square

Atravessamos a ponte para ver a Elizabeth Tower e o Palácio de Westminster de outro ângulo e também para continuar o passeio.

Ao lado do palácio fica a Parliament Square que como o próprio nome diz é uma praça. Nela estão 12 estátuas, entre elas alguns primeiros ministros do Reino Unido e outros líderes mundiais como Mahatma Gandhi e Nelson Mandela.

Palácio de Westminster visto da Parliament Square.

Abadia de Westminster

Da praça você consegue avistar a Abadia de Westminster, igreja onde acontecem casamentos reais e outras cerimônias importantes como as coroações de reis e rainhas que são celebradas nesse local desde o século XI. Foi nessa abadia que o príncipe William se casou com a Kate Middleton e também onde a Rainha Elizabeth II e o Príncipe Phillip oficializaram os laços.

Abadia de Westminster de diferentes ângulos.

Para quem acompanhou os eventos ao redor da morte da rainha pela televisão, na Abadia de Westminster aconteceu o serviço do funeral com a presença de chefes de Estado do mundo todo.

Um pouquinho da história: monges beneditinos chegaram na região na metade do séc. X e ali se instalaram, no século XI a abadia foi fundada pelo Rei Edward the Confessor, mas a igreja como vemos hoje começou ser construída no séc. XIII a mando do Rei Henry III. Até o século XVI era uma igreja católica, mas então foi convertida em igreja anglicana.

Nela estão sepultados 30 monarcas e milhares de outras pessoas, incluindo cientistas, poetas e figuras históricas, entre elas Charles Darwin, Isaac Newton e Stephen Hawking.

A visita a abadia custa £27,00 (com audioguia incluído) e costuma ser bem movimentada, portanto, vale a pena garantir seu ingresso antecipado com hora marcada.

Clique aqui para comprar seu ingresso para a Abadia de Westminster.

Uma das fachadas da Abadia de Westminster com a St Margaret’s Church do lado esquerdo da foto.

No mesmo terreno fica a St Margaret’s Church, que foi fundada no século XII. A original foi demolida e a construção que vemos hoje em dia é dos séculos XV e XVI. Winston Churchill se casou nessa igreja e tanto ela como a Abadia de Westminster e as Casas do Parlamento são Patrimônio Mundial da Unesco desde 1987.

Whitehall

Após ver a Abadia de Westminster, fomos caminhar pela Whitehall, avenida que é reconhecida como o centro do governo do Reino Unido e onde ficam os principais escritórios do governo, ministérios e também a residência oficial da primeira-ministra e seu gabinete.

Ao caminhar pela avenida, passamos por alguns monumentos e estátuas. O mais famoso deles é o Cenotaph, um dos memoriais de guerra mais conhecidos da Inglaterra.

Whitehall em um dia de inverno (Tbmurray, CC BY 3.0 <https://creativecommons.org/licenses/by/3.0>, via Wikimedia Commons).

 

A entrada da Downing Street, onde no número 10 fica a residência da Primeira Ministra (by Ian S, CC BY-SA 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0>, via Wikimedia Commons)

Na Whitehall fica uma das entradas para o Horse Guards Parade, e durante o dia é possível atravessar por esse local para chegar no St James’s Park, foi o que fizemos.

Horse Guards Parade

The Horse Guards Parade visto do St. James’s Park.

Horse Guards Parade é um edifício que fica entre a Whitehall e o St. James’s Park e nesse local é possível ver soldados da cavalaria (como passamos no fim de tarde, eles não estavam lá).

A construção é do século XVIII e é um local de desfiles e cerimônias reais. Nele está instalado o The Household Cavalry Museum, que trata da história e as realizações da The Household Cavalry. A entrada custa £10,00.

St. James’s Park

St. James’s Park.

O St. Jame’s Park é o mais antigo dos oito Parques Reais de Londres e o meu favorito entre eles! É bem conservado e popular entre moradores e turistas.

Há um lago no meio do parque e muitos pássaros, incluindo pelicanos que foram doados em 1664 pelo embaixador russo ao Rei Charles II (claro que esses pelicanos não são do século XVII, mas desde então, dezenas deles já viveram o parque).

Além dos pássaros, no St. James’s tem muitos esquilos! É um ótimo lugar para passear, levar crianças e tirar fotos.

Caminhando por dentro dele, você chegará no Palácio de Buckingham.

Palácio de Buckingham

Palácio de Buckingham.

O Palácio de Buckingham é a residência oficial e o principal local de trabalho da monarquia em Londres. A imponente construção Georgiana tem nada mais nada menos que 775 cômodos. A princípio onde hoje em dia fica o palácio existia uma casa que foi comprada pelo Rei George III para sua esposa a Rainha Charlotte. No ano de 1820 por ordem do Rei George IV começaram converter a antiga casa em palácio.

Abre para visitação apenas por 10 semanas durante o verão e em algumas outras datas específicas ao longo do ano. A visita custa £30,00.

Esse é o local principal da cerimônia de troca da guarda. Para quem quiser assistir, o ideal seria fazer esse roteiro “ao contrário”, começando na parte da manhã pela Trafalgar Square que será nossa última parada. Para os dias e horários da troca da guarda, consulte o site oficial.

The Mall

The Mall.

The Mall é uma avenida que vai do Palácio de Buckingham até a Trafalgar Square, passando pelo Admiralty Arch.

Essa é a avenida onde aconteceram vários cortejos históricos, como coroações, casamentos, visitas de estado e funerais. Se você assistiu o funeral da rainha pela televisão, provavelmente viu o cortejo passando pela The Mall. Aos finais de semana é fechada para o tráfego.

Admiralty Arch (Diliff, CC BY-SA 3.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0>, via Wikimedia Commons)

Trafalgar Square

Caminhamos pela The Mall até chegar na Trafalgar Square. Como essa praça costuma ser lugar e manifestações e estávamos escutando alguns barulhos, achamos que estava acontecendo algum protesto, mas o que realmente estava acontecendo era um festival indiano chamado Diwali.

Trafalgar Square.

A Trafalgar Square é uma praça que fica no centro de Londres e que comemora a Batalha de Trafalgar que aconteceu em 1805.

Entre os séc. XIV e XVII, o local onde agora fica a praça era o estábulo dos cavalos do rei e sua corte. No começo do séc. XIX mudaram o estábulo para outro lugar e iniciaram as construções.

Em 1843 a Coluna de Nelson foi levantada e no ano de 1867 as esculturas de quatro leões foram colocadas na base da coluna. O monumento é em homenagem ao Almirante Nelson que comandou a batalha de Trafalgar. Apesar da Marinha Britânica ter vencido, o almirante acabou morrendo devido os ferimentos.

Para quem gosta de arte, na Trafalgar Square fica a National Gallery e a National Portrait Gallery (no momento fechada para reformas). As duas têm entrada gratuita e se for entrar em uma delas reserve ao menos 2 horas do seu passeio para essa visita.

A praça é conhecida por ser um local de celebrações, eventos e protestos. E por estar muito cheia (e alegre!) não consegui filmá-la como gostaria, portanto vou ficar devendo para um próximo vídeo. Escolhi fotos para postar aqui sem protestos ou grandes eventos acontecendo para vocês terem ideia de como é em um dia “normal”.

National Gallery, na Trafalgar Square.

Esse foi nosso dia em Londres. Começamos às 10 da manhã e terminamos às 7 da noite.

Caso tenha sobrado tempo e disposição, esses são os programas que sugiro para a noite na cidade:

Mapa do roteiro de um dia em Londres:

Viajar preparado é muito melhor!

Vídeo do roteiro do que fazer em 1 dia em Londres:

Aqui encerramos esse guia para um dia em Londres!

Quero saber quais suas atrações favoritas das que apresentei no post (e vídeo). Me conta nos comentários!

Espero ter ajudado no seu planejamento e que você aproveite sua viagem a Londres.

Posts relacionados

Sem Comentários

Deixe um comentário


Este site usa Akismet para reduzir spam. Mais informações.